porno sex sifresiz mac izle online film seyret r57 c99 shell


Odebrecht relatou pedido de propina de Palocci por sonda do pré-sal, diz delator



O ex-executivo da Odebrecht Márcio Faria afirmou em depoimento ter sido procurado por Marcelo Odebrecht porque o ex-ministro Antonio Palocci havia cobrado o pagamento de propina para o PT em razão de um contrato assinado entre a empreiteira e a Sete Brasil para construção de seis sondas do pré-sal (assista ao vídeo acima, a partir de 2 minutos e 15 segundos).

Segundo Faria, porém, o percentual que teria sido exigido pelo ex-ministro não foi pago porque “passou o tempo” e a Polícia Federal deflagrou a Operação Lava Jato.

Márcio Faria é um dos ex-dirigentes da Odebrecht que fecharam acordo de delação premiada no âmbito da Lava Jato. Ele deu a informação ao prestar depoimento ao Ministério Público Federal, no ano passado.

O G1 buscava contato com a defesa de Antonio Palocci até a última atualização desta reportagem. Em depoimento ao juiz Sérgio Moro nesta quinta (20), o ex-ministro negou ter pedido, interferido ou defendido interesses da Odebrecht ou da Sete Brasil.

A delação

Ao prestar depoimento, Márcio Faria disse que, em 2011, foi lançado um edital para construção de 21 sondas para o petróleo do pré-sal. O consórcio composto pela Odebrecht, segundo o delator, venceu a corrência para construir seis dessas sondas. “Uma vez assinado o contrato, aí [que] apareceram as solicitações de vantagem indevida”, disse.

Aos investigadores, Faria, então, relatou que Pedro Barusco, ex-gerente de Serviços da Petrobras e à época funcionário da Sete Brasil, procurou o consórcio “solicitando vantagem indevida”. Esse pedido, disse o delator, seria de 65% para o PT e 35% para a “casa” – o ex-executivo não explica o que seria a “casa”

“Passou um tempo, fui chamado pelo Marcelo Odebrecht dizendo que havia sido procurado pelo Antonio Palocci, onde ele cobrou do Marcelo essa propina. [Queria] os 100% do 1% para o PT”, disse o delator.

“O Marcelo disse que desconhecia o assunto, que não sabia do que se tratava, que não iria entrar em assunto operacional e que não deu maiores informações ao ex-ministro Palocci. Em seguida, Marcelo me chamou e perguntou o que estava acontecendo. Contei toda essa história para ele. […] Conclusão: passou o tempo, veio a Lava Jato, e não pagamos o percentual que seria devido ao PT”, concluiu o delator.

Palocci na Lava Jato

Ministro da Fazenda no governo Lula e ministro da Casa no governo Dilma, Antonio Palocci foi preso pela Polícia Federal na 35ª fase da Operação Lava Jato, no ano passado.

Ex-prefeito de Ribeirão Preto (SP), o petista já teve pedidos de liberdade rejeitados pelo Superior Tribunal de Justiça e pelo Supremo Tribunal Federal.

Ao prestar depoimento ao juiz federal Sérgio Moro nesta quinta-feira (20), Palocci disse, entre outras coisas, que pode apresentar à Justiça “fatos com nomes, endereços, operações realizadas e coisas que vão ser, certamente, do interesse da Lava Jato”.

Ainda no depoimento, o ex-ministro disse que essas informações podem render “mais um ano” de Lava Jato.

O movimento do ex-ministro, segundo o colunista do G1 Gerson Camarotti, foi tido entre dirigentes do PT como uma espécie de “sinalização para o potencial de uma futura delação”.

 

 

G1


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Estadão Alagoas 2016 | Todos os Direitos reservado - Desenvolvido por Interactive Monkey