porno sex sifresiz mac izle online film seyret r57 c99 shell


QUEBRA DE SOBERANIA – não é a primeira vez.



QUEBRA DE SOBERANIA – não é a primeira vez.

Em 1969, eu era editor da Revista Mar, no Rio de Janeiro e, como tal, fui o primeiro jornalista brasileiro a denunciar, através de reportagem, a invasão dos americanos em solo brasileiro.

Dizia eu, com provas documentais que, já naquela época, quase toda a margem esquerda do Rio Negro era ocupada por americanos.

Contava eu que a Bethleem Steel, uma potência do aço, era composta por setenta por cento de capital americano quando a lei brasileira exigia no mínimo 51% para brasileiros.

Denunciei ainda a presença de uma companhia de chatas que, no inverno, quando as margens dos rios amazônicos se soltavam e viravam ilhas flutuantes, elas (as chatas), as   rebocavam para Miami –as ilhas eram húmus puro – as transformavam em fertilizantes que eram revendidos para o próprio Brasil.

Não sei até que ponto essa invasão continuou ou em que pé está, mas sei que com a tecnologia de alto avanço, o trabalho dos americanos em querer saber os planos de Dona Dilma, as invasões a nossos e-mails sigilosos, a nossos planos e estratégias de segurança e outras coisas mais, são uma quebra de nossa soberania, mas que não pode e não deve ser tratada como novidade.

Novidade tem que ser a reação do brasileiro que espera pulso forte dos mandatários e mandatárias deste país, sem medo de ser feliz, como eles próprios dizem.

O resto é pura retórica.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Estadão Alagoas 2016 | Todos os Direitos reservado - Desenvolvido por Interactive Monkey