porno sex sifresiz mac izle online film seyret r57 c99 shell


Olho Vivo: Luiz, o “lobo” e “pavão” da política alagoana



O “lobo” voltou a atacar no serviço público alagoano, desta vez na Prefeitura Municipal de Arapiraca, segunda maior cidade de Alagoas. Luiz Augusto Reynaldo Lobo Alves, ele próprio. Tão acostumado em infiltrar suas garras sedentas por dinheiro conseguido por meio de manobras diversas juntamente com seus aliados, também igualmente conhecidos e idênticos em índoles.

No último dia cinco, ele se expôs, como gosta, por meio de uma rede social. Luiz Lobo estava ao lado do “assessor” de Gabinete – com salário de secretário municipal no valor de R$ 11.800 mensais -, Adriano Soares da Costa, e do prefeito da segunda maior cidade de Alagoas, Rogério Teófilo, tão criticado pela sua (má) gestão no segundo maior município alagoano.

Ele quis transparecer a coisa de forma oficial, mas sabe-se que ele é um dos contratados a peso de ouro, pela Prefeitura Municipal de Arapiraca. Segundo sua postagem, ele presta serviços na área de Planejamento e Gestão, cujo trabalho tem avaliação positiva do prefeito.

Sabe nos bastidores que uma empresa que tem Lobo como chefe foi contratada pelo município por um valor em torno de R$ 30 mil mensais. A reportagem procurou pelo nome de Luiz Lobo no Portal da Transparência de Arapiraca, mas não o encontrou, o que confirma a contratação via pessoa jurídica.

Luiz Lobo é figura diretamente ligada ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Pernambucano, ele aterrissou na política em Alagoas pela cidade de Palmeira dos Índios, ainda na gestão de James Ribeiro. No município ele ocupou alguns cargos no primeiro escalão, porém suas garras foram mostradas em sua gestão à frente da secretaria de Educação.

Em uma das denúncias de supostos desvios de verba da Educação, o município gastou R$ 5 milhões em livros, “adquiridos” junto à Editora Divulgação Cultura Ltda, de Curitiba, no Paraná, hábil vencedora de licitações no município de Palmeira dos Índios, tendo sido uma delas num festivo 29 de dezembro de 2015.

Suspeito de ser sócio de práticas diversas – todas espúrias – à frente do poder público em Palmeira dos Índios, Luiz Augusto Lobo, tem como amigo e parceiro no serviço público, o advogado Adriano Soares, conhecido por sua sede por dinheiro público e manobras jurídicas para beneficiar, além de si próprio, seus comparsas.

A ligação entre os dois veio à tona na fracassada pré-campanha de Luiz Lobo na disputa pela Prefeitura de Palmeira dos Índios. A ideia era preparar munição para possíveis ataques e falhas de seus adversários durante o processo eleitoral.

O secretário de Educação de Palmeira dos Índios, Luiz Lobo, contratou o advogado Adriano Soares e sua tropa de choque para atuar na sua pré-campanha na disputa pela prefeitura do município., mas não logrou êxito. (Crédito: Assessoria)

Pré-candidato a prefeito pelo PSL nas eleições de 2016, Luiz Lobo usou à época sua página pessoal da rede social Facebook para anunciar a parceria com o ganancioso advogado, que se tornou referência nacional em Direito Eleitoral e também ficou conhecido pelos devaneios e falcatruas no serviço público. No entanto, para o bem da cidade de Palmeira dos Índios, a candidatura não se concretizou, devido ao PSL, então partido de Lobo, não ter acolhido seu nome.

Crédito: Estadão Alagoas

A CGU em Palmeira dos Índios
A Controladoria Geral da União (CGU) em Alagoas visitou há alguns meses Palmeira dos Índios para fiscalizar, programas do Governo Federal, dentre eles, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), do Ministério da Educação, referentes a 2014, 2015 e 2016, anos aos quais o então secretário de Educação ocupou a pasta e supostamente desviou os recursos.

No dia 24 de abril, técnicos da Controladoria Geral da União (CGU) foram até a cidade de Palmeira dos Índios, com a finalidade de investigar a aplicação dos recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

Segundo informações colhidas pela reportagem, Luiz Lobo recebeu à época notificação para depor na Polícia Federal.

O pernambucano Luiz Lobo é irmão de Eduardo Lobo, que foi marqueteiro do ex-prefeito James Ribeiro e do ex-governador Teotonio Vilela. Antes de assumir a Educação em Palmeira dos Índios, Luiz Lobo respondia pela Secretaria de Planejamento.

Vaidade de pavão
Além de ganancioso, Luiz Lobo gosta de holofotes. Usuário assíduo das redes sociais, ele tem por hábito, quase vício, mostrar suas ostentações conseguidas de formas suspeitas e geralmente ligadas a administrações públicas em municípios combalidos pela crise e também pela roubalheira de ladrões disfarçados de políticos e profissionais gabaritados.

Seja ao lado da sua atual companheira ou de amigos, ele exibe suas festas, regadas a caviar e bebidas importadas, e suas viagens ao exterior. Luiz Lobo não se preocupa em esconder suas mordomias, sua ganância e sua ligação direta com o poder, seja ele onde for.

O que importa para Luiz Lobo é manter, ostentar e exibir o padrão que alcançou do dia para a noite. Pelo que ele expôs em Palmeira dos Índios, para breve espera-se cenas de novos capítulos da mesma novela, só que dessa vez em Arapiraca, por meio do parceiro de sempre, Adriano Soares da Costa, e do mais recente, Rogério Teófilo.

Falante, com sua voz anasalada e aguda, Luiz Lobo, apesar de gostar dos holofotes, não gosta de ver e ouvir verdades a seu respeito. Gosta do silêncio de quem não compactua com falcatruas e outras ações ligadas à falta de honestidade. Gosta de quem “gosta” dele, de quem compactua, acha graça e, até “come” ou quer “comer” do sagrado dinheiro do povo.

A Arapiraca, desejamos boa sorte com a presença de Lobo e sua matilha na já combalida gestão pública municipal.


4 comentarios sobre “Olho Vivo: Luiz, o “lobo” e “pavão” da política alagoana”

  1. concursado disse:

    ainda bem que essa mazela e seus babas ovos encontram-se em arapiraca, e se deus quiser nunca mais vão voltar pra palmeira…

  2. Rita de Cassia disse:

    Esse homem é a besta fera do apocalipse. Nunca mais ele em Palmeira dos Indios. De Arapiraca pra lá… bem longe.

  3. Contratado da Educação disse:

    Engraçado que os contratados só receberam os dias trabalhados diante o recesso escolar! onde isso nunca ocorreu! e pra onde foi esse restante do dinheiro dos servidores? pois dinheiro do mes completo possuía! equivalente um desconto de 250 reais de um professor de 20horas, com salario de 1158,00

  4. CSR disse:

    Agora ta explicado esse caos em Arapiraca kkkkkkkkkkkkkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Estadão Alagoas 2016 | Todos os Direitos reservado - Desenvolvido por Interactive Monkey